Para ler 15 Abismos, o livro.

Andressa chega em casa e encontra Erik, seu irmão, na cama, morto. Assassinato? Suicídio? A polícia chega ao local e encontra uma pista: aos pés do falecido, o CD 15 Abismos, do grupo Vilipêndio.

O pai de Erik, o poderoso comerciante Sandro Dickens, não mede esforços para descobrir a resposta, chegando até a contratar o serviço de um paranormal, o detetive Lui de La Sombra. Para este, a presença de um disco de rock pesado na cena pode ser a pista que leve ao desenlace do caso. A cobertura da imprensa também enfatiza a ligação entre rock e violência e, subitamente, o grupo Vilipêndio acaba involuntariamente alçado ao estrelato. A pergunta, no entanto, ainda ecoa: o que aconteceu na fatídica noite em que Erik morreu?

Utilizando-se de exercícios de metalinguagem, o livro 15 Abismos vai inserir o leitor na caótica paisagem urbana arquitetada pelo autor Ricardo Caulfield para, depois, iniciar um perigoso jogo de desconstrução. Presos dentro de um labirinto asfixiante, o que será que convites e sorrisos encobrem? Romance de estréia de Ricardo, 15 Abismos está disponibilizado gratuitamente no site www.vilipendio.hpg.com.br

Contatos:
Ricardo: Cel.: (21) 9678-9425 / Res.: (21) 2526-3678
ricardocaulfield@hotmail.com
vilipendio15abismos@hotmail.com

Vilipêndio inova e coloca abismos na internet

No início de 2002, o vocalista do Vilipêndio, Ricardo Caulfield, resolveu dar vazão a sua veia literária e começou a escrever um romance baseado nas letras do disco de estréia do Vilipêndio, 15 Abismos, lançado no fim do ano passado.
Cada música deu origem a um capítulo da obra, disponibilizada no site www.vilipendio.hpg.com.br, em agosto de 2002. Trata-se de uma obra única e pioneira: uma banda de rock pesado misturando rock, literatura e as possibilidades democráticas da web.
Com doses de humor, o livro faz uma reflexão sobre temas caros à sociedade contemporânea, assim como discute a abordagem que o rock tem pelos setores mais conservadores da mídia.

Músicas e capítulos: a conexão

DE OLHOS BEM ABERTOS: O título da música faz uma referência ao filme De olhos bem fechados, de Kubrick. É uma canção debochada, com uma letra sadomasô. No livro, o rapaz tem uma relação tumultuada com a amante, com muita violência e drogas.

PARAÍSO: O personagem principal do livro, Cecílio, faz um discurso sobre o ideal de felicidade, ao ver dele, algo estereotipado. A música de mesmo nome diz "eu não quero ir para o paraíso, admirar aquilo em que não acredito".

EU DEFENDO A LEI: Música sobre a polícia e capítulo introduzindo os personagens policiais.

CRIME PERFEITO: A natureza às vezes parece conspirar de maneira fatal. O acaso surge de maneira dramática neste trecho do livro e também representado pelo serial killer da letra do CD.

OLHOS VERMELHOS: Música e capítulo falam de experiências que fazem as pessoas ultrapassarem os próprios limites. No livro, Faustina leva o namorado para novas práticas sexuais.

MEDO: Aqui os personagens fazem uma reflexão do tema. Um deles é vítima de uma bala perdida. "As ruas estão desertas, há gente com medo", diz os versos da canção.

A VIAGEM: Sandro Dickens quer estabelecer uma "comunhão cósmica" com o filho morto. "Falando e ouvindo, sendo e sentindo, vendo e vivendo, voando e sorrindo", diz a letra, meio sem pé nem cabeça, da canção de mesmo nome.

QUEM VIVE DE JURAS: O rock enfatiza o sentimento de decepção de quem sofre uma rejeição. No capítulo, Eduardo passa a odiar Andressa pelo fato de ter sido abandonado por ela.

VERDE E AMARELO: Uma letra cheia de sangue, fazendo uma metáfora sobre a situação do país. Já o capítulo, aborda a descrença das pessoas e a injustiça social.

A REALIDADE É: CD e livro falam sobre a depressão de um personagem com a maneira como vem guiando a própria vida.

TUDO O QUE EXISTE: Quando afundamos na sensação de que não há esperança. Letra e capítulo são puro negativismo.

AMBIÇÃO: No disco, faz-se uma referência a uma pessoa que acha que o suicídio vai fazê-la ser valorizada após a morte. No livro, Sandro está no hospital, e as pessoas acreditam que ele tenha tentado tirar a própria vida.

HOMEM EM FASCÍCULOS: Em foco, a monotonia da perfeição.

DESTRUIR: Personagens tentam quebrar as regras. Através da violência... e do sexo. A música é a mais barulhenta do CD.

ORAÇÃO PARA OS INVEJOSOS: Chegou a hora de Cecílio "cobrar o pênalty" da sua vida...e ele converte! Última música do CD, ela é também a mais otimista, dando uma esperança depois da desilusão e da revolta das faixas anteriores.

Voltar