AS CORES DA ROTINA
Letra de Ricardo Caulfield

Música: Marcio Bukowski/Ricardo

Quero quebrar as algemas
preciso alcançar o penhasco
mas onde plantei o jardim
a morte ergueu o seu palácio
qual a palavra mágica que me devolverá à vida?

Foi quando eu desisti
daquilo que me movia
abracei a depressão, sepultei a alegria
a dor é como água onde meu corpo naufraga

Meu quarto, uma bagunça
tal qual minha cabeça
os dias passam devagar
a vida passa depressa
quando olho para trás
só vejo promessas

O dinheiro é verde, o dia é cinza, são as cores da rotina
eu sou carrasco, eu sou a vítima, sou pescoço e guilhotina
eu sou o pulmão, sou a nicotina, sou a veia e a heroína

mas não vou jogar a toalha
olho nos olhos dos meus sonhos
luto enquanto houver raiva

Voltar