A NOITE DO VILIPÊNDIO

Forasteiro na própria terra
Perdido nunca me vi
Porque a noite estava comigo
Ela sempre esteve aqui

Todo dia ao ressuscitar
Quem vai nos redimir de nós mesmos?

A ampulheta se espatifou
De quantos futuros eu me livro?
No laboratório sou um ator
Cobaia, veneno e antídoto

Todo dia ao ressuscitar
Quem vai nos redimir de nós mesmos?

A noite segue a noite
Não há dia em meu semblante
Não preciso de bandeira
Apenas a fronteira ao meu alcance

Bem vindos à noite do vilipendio
Esta é a noite do vilipendio
Veja o céu cor de incêndio
E a cicatriz que rasga o silêncio
Diz que esta é a noite do Vilipêndio

Entre cometas e meteoros
Amanheço os meus olhos
Com um big bang no bolso
Eu me despeço dos destroços

Refrão

Voltar