MEDO
Letra de Ricardo Caulfield

As ruas estão desertas, há gente com medo
Crianças espertas quando saem voltam cedo
O futuro é chiclete e o pânico gruda
Ditam as leis e isto não muda
Que tal o fascínio da escuridão?
Você diz não, acenando a mão,
Mas não estou falando com você!
Se liga, mermão!

Pânico e prostração

Voltar